segunda-feira, dezembro 15, 2014


Grave:Jovem é ferido com três facadas no Jd Boreal na noite de ontem.

0

 

14/12/2014 
23:14 Posto Nova Russia
•  Ferimento por arma branca
•  Atendimento pré-hospitalar,Orientação/Advertência
•  Endereço: Rua Adélia dos Santos, Num: S/Nº -- Bairro: Jd. BOREAL
•  Referência: boreal lanches
•  Municipio: Ponta Grossa
•  AA 10490 (Posto Nova Russia)
•  ABS 9819 (Central)

•  JEFERSON DUDA, 39 anos, Ferimentos leves
 Destino: Recusou o encaminhamento ao hospital 
................
Neste local havia mais uma vitima a qual foi ferida segundo as informações com três facadas e saiu do local, para o qual havia sido enviada também a equipe médica do SAMU.

Esta vitima foi transportada por seu pai até o Hospital Municipal, de onde partiu então uma solicitação ao SAMU para que deslocassem a Alfa (Equipe Médica) até o hospital para dar atendimento a esta vitima.

A equipe Alfa do SAMU realizou então o atendimento, drenando os dois pulmões da vitima, e a entubação, dali Maycon Gean dos Santos 23 anos foi levado para a Santa casa em estado grave.
Ele foi ferido com facada no tórax, e em ambos os braços.

......................

Alerta!!!
Os órgão responsáveis por atendimento médico, orientam sempre, NUNCA mexa ou retire uma vitima do local do fato,a não ser que algo coloque ela naquele lugar em risco de morte, como em uma acidente por exemplo, a risco de explosão, a vitima pode ser retirada, mas com a devida precaução e sob orientação.

Dicas


Acidente automobilístico

Ao presenciar um acidente automobilístico é muito importante relatar para a equipe de socorro como ele aconteceu. Assim, aumentam as chances de ajudar as vítimas. Antes de iniciar o socorro é essencial verificar se o local é seguro, evitando atropelamentos.

Outro ponto fundamental a observar antes se não há vazamento de combustível no local. Também é importante não tentar tirar as vítimas do carro até o socorro chegar, a menos que haja risco de explosão. Se isso acontecer, veja as orientações no item transporte da vítima.

Como agir:
- Chame socorro imediatamente, antes mesmo de se aproximar do local do acidente;
- Verifique se a vítima está consciente;
- Se estiver inconsciente, a vítima já é considerada um paciente grave. Mais do que socorrê-la, o importante é observar e tentar dar o maior número de informações para a equipe de emergência;
- Verifique se a vítima está respirando. A melhor maneira é pelo movimento do tórax;
- Se estiver consciente, oriente-a para que não se mexa e não saia do carro. Não tente tirar o acidentado das ferragens;
- Se houver como acessar a vítima, use sempre luvas ou um pano limpo para não se contaminar com sangue, secreções e vômito;
- Segure a cabeça da vítima para que ela não movimente o pescoço. Qualquer movimento brusco pode piorar o estado dela;
- Não forneça líquidos para ela beber, mesmo que ela diga que está com sede.


Afogamento
O afogamento é o resultado da dificuldade ou da impossibilidade de respirar por afundamento em qualquer líquido. Pode levar à parada cardiorrespiratória e ao estado de choque.

Caso as funções respiratórias não forem restabelecidas dentro de 3 a 4 minutos, as atividades cerebrais cessarão totalmente, causando a morte. Por isso, é necessário realizar socorro rápido e imediato.

Como agir:
- Peça socorro a pessoas habilitadas (salva-vidas) e não tente fazer o salvamento a menos que tenha sido treinado para isso;
- Retire a vítima da água usando algum objeto que flutue, puxando-a para um local seguro;
- Evite tentar o salvamento sozinho e sem recursos materiais (boia, corda,
embarcação etc.)
- Se a vítima estiver lúcida, coloque-a deitada e vire-a para a direita, com a cabeça mais elevada em relação ao tronco. Acalme-a, mantenha-a aquecida e, se ela ingeriu boa quantidade de líquido, transporte-a imediatamente ao hospital;
- Se o afogamento originar parada cardiorrespiratória, realize a reanimação cardiopulmonar ou solicite que alguém habilitado para tal faça isso. A vítima deve ser conduzida o mais rápido possível ao hospital;
- Em caso de hipotermia (temperatura corporal abaixo de 35° C), aqueça-a e conduza-a ao hospital.

Como prevenir:
- Após ingerir alimentos espere no mínimo 1 hora para entrar na água;
- Se ingerir bebida alcoólica, não entre na água;
- Evite pular na água em locais desconhecidos; podem ocorrer acidentes batendo com a cabeça em pedras, galhos e no fundo de rios;
- Procure se banhar em locais onde haja salva-vidas;
- Respeite a sinalização do local e a orientação dos salva-vidas;
- Converse com o salva-vidas antes de entrar na água. Ele pode fornecer dicas valiosas sobre correnteza, buracos e locais de maior risco para banho.


Amputação
É a separação de um membro ou estrutura do restante do corpo, causada por diversos tipos de acidentes. Entre os mais comuns estão os com objetos cortantes (serra elétrica), os acidentes de trânsito (principalmente de moto), a violência, o choque e o esmagamento.

Nesse tipo de emergência, a rapidez na busca pelo atendimento é um fator determinante para conter qualquer tipo de infecção e também para o sucesso da reimplantação do membro.

Como agir:
- Se for preciso limpar o local da amputação, faça isso com um pano bem limpo e não use nenhuma outra substância;
- Comprima o local com força, com um pano limpo para conter o sangue;
- Não se esqueça de recolher a parte amputada. Se a distância até o hospital não for longa, enrole-a com um pano limpo e coloque-a dentro de uma sacola plástica limpa. Se o socorro for demorar mais de 6 horas, enrole a parte amputada em um pano limpo, coloque-a em um pacote plástico bem fechado e, sem seguida, ponha o pacote dentro de outra sacola com gelo;
- Não coloque a parte amputada diretamente no gelo, é necessário apenas refrigerá-la;
- As amputações podem ocasionar hemorragia e infecção, levar ao estado de choque e à morte. Procure o socorro rápido para evitar a falta de vascularização no local, o que pode ocasionar gangrena;
- O sucesso do reimplante vai depender principalmente do tipo de corte e do tempo decorrido do acidente até o recebimento do socorro apropriado.

Como prevenir:
- Tome cuidado ao manusear objetos cortantes e jamais use-os sob efeito de qualquer coisa que afete o sistema nervoso central (drogas, álcool ou medicamentos);
- Grande parte das amputações acontece no ambiente de trabalho. Adote medidas de segurança para prevenir acidentes.


Atropelamento
A primeira medida é chamar a emergência, dando localização precisa e descrevendo o estado da vítima. É também preciso adotar os procedimentos de verificação de consciência e respiração.

Como agir:
- Garanta que o local fique seguro para a vítima;
- Mantenha-a imobilizada, segurando a cabeça dela;
- Impeça que ela se levante, sente ou se vire;
- Se houver sangramento, comprima o local com um pano limpo;
- Aguarde o atendimento de emergência. Não pegue a vítima no colo nem e a transporte no seu carro. Se não for possível esperar pelo socorro, veja o item transporte da vítima, para não agravar uma possível lesão;
- Não ofereça líquidos ou qualquer medicamento;
- Cubra o acidentado para manter a temperatura e protegê-lo.

Como prevenir:
- Pedestres e ciclistas devem atravessar a rua sempre pela faixa de pedestres;
- Quando não houver faixa, devem olhar atentamente para os dois lados e atravessar em linha reta, jamais no meio dos carros;
- Pedestres, ciclistas, motociclistas e motoristas devem obedecer sempre à sinalização de trânsito;
- Ciclistas e motociclistas devem usar sempre capacete e roupas que facilitem a visão dos motoristas. As bicicletas devem estar devidamente iluminadas e andar de acordo com o fluxo dos carros;
- Crianças devem atravessar a rua na companhia de adultos e não devem brincar próximo de garagens ou da rua;
- Ao descer do carro numa via, pedestres devem verificar se o local é seguro para este procedimento.


Choque elétrico
Ocorre quando o corpo entra em contato com a corrente elétrica. Seus efeitos variam em função do tempo e da intensidade da corrente.

Como agir:
- Corte imediatamente a corrente elétrica, mesmo antes de ajudar a vítima;
- Se não for possível cortar a corrente, afaste a vítima da fonte de energia. Não se esqueça de utilizar luvas de borracha grossa ou outros materiais secos como cabo de vassoura, tapete de borracha, jornal dobrado ou pano grosso dobrado;
- Se o choque for leve, siga as orientações listadas no item estado de choque;
- Em caso de parada cardiorrespiratória, inicie imediatamente a reanimação cardiopulmonar até a chegada do atendimento;
- Examine a vítima, procurando primeiro hemorragias, depois fraturas e somente depois queimaduras;
- O choque pode causar queimaduras e paralisia dos músculos, levando à morte quando pulmão e coração param. Cada segundo de contato com a eletricidade diminui a possibilidade de sobrevivência.

Como prevenir:
- Faça revisões periódicas nas instalações elétricas;
- A utilização de instalações elétricas clandestinas (conhecidas como gatos) aumentam as chances de curto-circuito;
- Quando uma tomada estiver esquentando ou quando algum eletrodoméstico estiver soltando faíscas desligue imediatamente e procure um profissional especializado em instalações elétricas;
- Nunca sobrecarregue uma tomada ligando vários aparelhos nela;
- Não se esqueça de desligar o disjuntor antes de mexer em qualquer instalação elétrica ou quando for trocar a resistência do chuveiro;
- Previna acidentes com crianças: tape tomadas e deixe os fios fora do alcance delas;
- Leia sempre as instruções antes de instalar qualquer eletrodoméstico;
- Desligue os aparelhos sempre puxando pelo plugue, nunca pelo fio.


Coma alcoólico
Ocorre por consumo de álcool em excesso. O organismo tem uma capacidade limitada de metabolizar essa substância. Quando esse limite é superado, as funções vitais do corpo são afetadas, em uma situação que pode levar à morte.

A quantidade de álcool necessária para uma pessoa entrar em coma varia de acordo com o sexo e o peso de cada um. Antes de entrar em coma, a pessoa já apresenta sinais acentuados de embriaguez, como comportamento agressivo, confusão e agitação, olhos vermelhos, dificuldade de falar, falta de coordenação motora e sono, entre outros.

Como agir:
- Chame socorro;
- Verifique o pulso da vítima;
- Coloque a vítima deitada de lado, para que ela não aspire o próprio vômito;
- Afrouxe roupas e acessórios;
- Se a vítima entrar em parada cardíaca, aplicar a respiração boca a boca até a chegada do atendimento.

Como prevenir:
- O coma alcoólico está ligado ao abuso do consumo de álcool, que, se recorrente, pode dar origem a uma doença crônica, o alcoolismo;
- O abuso do álcool por adolescentes é cada vez mais comum. É necessário um trabalho conjunto entre pais e escola para conscientizar os jovens do perigo dessa droga lícita;
- Converse com seus filhos sobre o perigo do abuso do álcool e suas consequências;
- Dê o exemplo em casa, evitando beber em excesso;
- Fique atento aos primeiros sinais de abuso e procure acompanhamento médico.


Convulsão
É um estímulo inadequado de várias partes do cérebro. Uma das principais causas de convulsão é a epilepsia, mas o problema pode acontecer por diversos outros fatores, entre eles, febre alta, diminuição da glicose no sangue, batidas fortes na cabeça, hemorragia, tumores e intoxicações.

A crise convulsiva é facilmente identificada pelos seguintes sintomas: espasmos musculares em todo o corpo, olhar perdido ou olhos virados e aumento da salivação. Durante a convulsão, a pessoa também pode urinar ou defecar involuntariamente e permanecer se debatendo até a crise passar. É necessário chamar atendimento especializado.

Como agir:
- Se possível, evite que a vítima caia no chão;
- Deite-a no chão, de lado, para evitar que se engasgue com saliva, vômito ou secreções;
- Não jogue água fria no rosto da vítima;
- Proteja a cabeça com um travesseiro, para evitar que a vítima se machuque;
- Afrouxe um pouco as roupas da vítima para que ela respire melhor;
- Limpe o excesso de salivação com um pano limpo;
- Jamais coloque a mão dentro da boca da vítima para puxar a língua. Ela está sofrendo contrações musculares e certamente irá mordê-lo;
- Após a convulsão, é normal que a vítima sinta sonolência e durma;
- Em alguns casos, a convulsão pode causar danos cerebrais se for recorrente, por isso deve ser tratada de imediato.


Desmaio
É a perda repentina e temporária de consciência, devido à diminuição do oxigênio no cérebro. As causas são variadas e estão ligadas a fatores como alimentação, estado emocional, fatores relacionados a atividades diárias, dor intensa e problemas de saúde como acidentes e distúrbios cardíacos.

Como reconhecer:
- Antes de desmaiar é comum a pessoa apresentar sensação de moleza no corpo, suor frio, náusea, pulso fraco, pressão arterial baixa e respiração cada vez mais lenta. O momento imediatamente anterior ao desmaio é relatado como "enxergar tudo preto".

Como agir:
- Se a vítima apresenta os sintomas, mas ainda não desmaiou, sente-a em uma cadeira e diga a ela para baixar a cabeça abaixo dos joelhos e esperar a tontura passar;
- Se a pessoa já desmaiou, deite-a no chão, elevando as pernas em relação ao resto do corpo para facilitar a circulação de sangue para o cérebro;
- Afrouxe as roupas da vítima e ventile o ambiente;
- Quando ela recuperar a consciência ofereça um pouco de água com açúcar;
- Se a ânsia de vômito continuar, vire-a de lado.


Estado de choque
Ocorre quando o fluxo de oxigênio para as células do corpo diminui ou para por completo. Ele vai aumentando gradativamente e causando danos nos tecidos de acordo com sua extensão, até o momento em que o coração não recebe oxigênio suficiente e para de bater, causando a morte.

Esta emergência pode ter diversas causas: grande perda de sangue, infarto, aceleração do coração, queimaduras graves, traumatismos de crânio, tórax e abdômen, envenenamentos, afogamento, choque elétrico, picadas de animais venenosos, mudança brusca de temperatura e infecção. Se a vítima apresentar algum dos sintomas abaixo, é necessário agir rapidamente, principalmente para tentar evitar que ela entre em choque.

Como reconhecer:
- Pele pálida, úmida, pegajosa e fria;
- Orelhas, lábios e pontas dos dedos arroxeadas;
- Suor na testa e nas palmas das mãos;
- Fraqueza geral;
- Pulso rápido e fraco;
- Sensação de frio;
- Respiração rápida, curta, irregular ou muito difícil;
- Pupilas dilatadas, agitação, medo;
- Muita sede;
- Visão nublada;
- Náuseas e vômitos;
- Confusão mental;
- Perda total ou parcial de consciência;
- Aceleração dos batimentos cardíacos.

Como agir:
- Deite a vítima de costas. Afrouxe as roupas no pescoço, no peito e na cintura. Em seguida, verifique se há prótese dentária, objetos ou alimento na boca e retire-os;
- Eleve as pernas da vítima em relação ao restante do corpo com uma almofada ou qualquer outro objeto (se não houver fraturas ou ferimentos no tórax e na cabeça);
- Se ela estiver inconsciente ou consciente, mas sangrando pela boca ou pelo nariz, deite-a de lado, apoiada sobre o lado esquerdo;
- Caso a vítima pare de respirar, inicie a respiração boca a boca. Coloque a cabeça dela para trás, para que a língua não bloqueie a passagem de ar e tampe as narinas dela. Sopre dentro da boca da vítima até ver o peito se mexer. Repita o procedimento até a emergência chegar;
- Se a pessoa estiver fria, agasalhe-a;
- Mantenha-a calma e observe se ocorre alguma mudança grande no estado da vítima para informá-la à equipe de socorro.

Febre alta
Elevação anormal da temperatura do corpo a mais de 40ºC. Funciona como uma espécie de defesa do organismo, avisando que algo está errado. Por isso, suas causas devem ser investigadas antes de iniciar qualquer tratamento.

A febre alta pode ser resultado de infecção, desidratação, virose, traumatismo ou pode indicar problemas mais graves, como tumor ou acidente vascular cerebral. A febre muito alta e prolongada pode causar lesão cerebral irreversível.

Como reconhecer:
- Perda de apetite;
- Mal-estar;
- Pulso e respiração acelerados;
- Suor excessivo;
- Calafrios;
- Dor de cabeça.

Como agir:
- Enrole a vítima em toalhas úmidas e dê banho em temperatura ambiente;
- Passe toalhas frias (com gelo) no rosto, no pescoço, nas axilas e nas virilhas;
- Em caso de convulsão e delírio não dê banho na vítima. É necessário ir imediatamente para o hospital;
- Não use medicamentos antes de saber o que está causando a febre.


Ferida inflamada
Reação do organismo a qualquer agente agressor, como uma picada de inseto, uma batida e um corte, entre outros. É importante não confundir inflamação com infecção. A infecção é gerada pela ação de microorganismos como fungos, vírus e bactérias. Já a inflamação é uma reação do próprio organismo.

Como reconhecer:
- A inflamação se caracteriza por uma área geralmente avermelhada, inchada e dolorida.

Como agir:
- Faça compressas com bolsa de água fria ou pano úmido no local para aliviar a sensação de calor;
- É possível fazer uso tópico de antiinflamatórios em feridas inflamadas não abertas;
- Em feridas abertas, é necessário consultar um médico, pois há possibilidade da inflamação se transformar em infecção.


Ferimento em crianças
Em caso de ferimento em crianças, mantenha a calma, afaste a criança do local do acidente, acalme-a e limpe bem a área acidentada.

Como agir:
- Lave o local com água corrente em abundância e sabão. É importante limpar bem a ferida, para tirar restos de areia, pedras ou qualquer outro tipo de resíduo do ferimento;
- Finalize a limpeza com um antisséptico e um curativo com gaze, trocando-o uma vez ao dia;
- Se não tratados com a devida atenção, ferimentos leves podem infeccionar. Se isso acontecer, leve a criança a um serviço médico.

Como prevenir:
- Não deixe as crianças sem a supervisão de um adulto, seja em casa, na escola ou no parque;
- Restrinja o acesso à cozinha colocando uma barreira na porta. Este é um dos locais onde a maioria dos acidentes acontece;
- Jamais deixe a criança sozinha no banho;
- Proteja pontas de mesas, criados-mudos e todos os tipos de objetos pontiagudos;
- Não deixe o ferro ligado;
- Tape as tomadas com proteção adequada.


Ferimento na cabeça
Os ferimentos na cabeça costumam assustar, pois o sangramento é intenso, já que é uma região muito vascularizada do corpo. Se o ferimento for originado por uma batida muito forte, é necessário buscar o atendimento médico imediatamente. Se for apenas um corte superficial, é possível aplicar alguns procedimentos de primeiros socorros sem que seja preciso ir ao hospital.

Como agir:
- Limpe a região com água corrente e sabão;
- Pressione a região afetada com um pano limpo para estancar o sangramento;
- Se o sangramento for intenso e o corte profundo, dirija-se a um atendimento especializado.


Fratura
Pode ser causada por quedas, impactos fortes ou movimentos violentos. Há vários tipos de fraturas. As mais comuns são as dos membros (mãos, pés, braços, pernas etc.). Em geral, fraturas na cabeça, no pescoço e na coluna exigem um cuidado maior no atendimento inicial.

Fraturas expostas são aquelas em que o osso quebrado rompe os músculos e a pele e fica aparente. Nestes casos, complexos e graves, o ferimento no local da fratura está em contato com o ambiente e, se não for tratado, podem dar origem a infecções e deficiências.

Como agir:
- A pessoa que sofreu uma fratura sentirá muita dor no local, ao apalpá-lo ou movimentá-lo. Faça um primeiro diagnóstico observando o que aconteceu; 
- Chame socorro imediatamente ou, se a pessoa estiver em condições de ser transportada de carro, leve-a um hospital;
- Imobilize o membro fraturado segurando a área com firmeza ou com a ajuda de um papelão, dobrando-o em três (como se fosse uma calha). É possível ainda usar um pedaço de madeira, uma atadura e um lençol (sem apertar muito). A imobilização vai diminuir a dor;
- Em caso de fratura exposta, imobilize o membro como está e não tente colocar o osso no lugar. Cubra o local com um pano esterilizado ou bem limpo, para evitar o contato com o ambiente;
- Se o socorro demorar, lave o local com água corrente abundante ou com soro fisiológico e seque com o pano limpo. Não coloque nenhuma outra substância;
- Se houver um sangramento muito intenso, faça a compressão firme do local, segurando o membro na posição oposta ao fluxo do sangue. Exemplo: fratura no pulso? compressão no antebraço.


Hemorragia

Perda de sangue em decorrência de ferimento, que pode ser externo ou interno. As causas são variadas e podem ir desde um corte com um caco de vidro ou uma faca, até um traumatismo com uma contusão que abriu e sangrou.

A hemorragia pode levar ao estado de choque e à morte. Por isso, é necessário estancar o sangue (no caso de uma hemorragia externa) e chamar a emergência imediatamente.

Como reconhecer:
- Após uma queda, atropelamento ou mesmo durante uma gravidez de risco, suspeite de hemorragia interna quando a vítima apresentar sintomas como:
- Palidez;
- Sonolência;
- Suor excessivo;
- Frequência cardíaca acelerada;
- Contusões e manchas na pele;
- Dor na região abdominal;
- Vômito ou evacuação com sangue.

Como agir:
- Pegue um pano esterilizado ou bem limpo e comprima o local do sangramento com força, caso não exista algum objeto que impeça a compressão ou que agrave o sangramento;
- Caso haja um objeto encravado no corpo jamais tente retirá-lo. Ele pode estar tamponando um vaso e, ao ser retirado, pode gerar mais hemorragia;
- Não passe nenhuma substância no ferimento;
- Não eleve as pernas da vítima nem faça movimentos bruscos se houver risco de fratura;
- Na suspeita de hemorragia interna, não dê nada para o paciente beber  e leve-o imediatamente para o hospital.


Hipotermia 
Resfriamento do corpo abaixo de 35ºC. Pode ser consequência de infecção, hemorragia, diminuição da taxa de glicose no sangue ou ainda após exposição ao frio intenso ou queda em águas congeladas. Se não contornada com rapidez, a hipotermia pode levar à morte.

Em caso de hipotermia, é preciso iniciar os primeiros socorros e chamar imediatamente o atendimento.

Como agir:
- Cubra imediatamente a vítima com cobertores e abrace-a para transmitir o calor do seu corpo;
- Se houver congelamento dos pés ou das mãos, redobre o cuidado, pois existe o risco de a área infeccionar depois de descongelar;
- Deite a vítima e esquente as partes congeladas passando água quente diretamente no corpo ou panos molhados com água quente, realizando massagens para ativar a circulação nas áreas próximas às partes congeladas;
- Peça à vítima que, aos poucos, movimente pés e mãos;
- Dê bebidas aquecidas e não alcoólicas;
- Se a vítima estiver em um estágio avançado de hipotermia, realize a reanimação cardiorrespiratória.

Como prevenir:
- Estude o clima do local para não ser pego de surpresa;
- Alimente-se bem em temperaturas frias; Prepare-se fisicamente para grandes caminhadas;
- Evite o cigarro e o álcool;
- Use roupas apropriadas para baixas temperaturas;
- Carregue sempre uma muda de roupas. Se estiver molhado, troque-se imediatamente.


Infarto
Ocorre quando alguma artéria deixa de levar sangue ao músculo cardíaco, o miocárdio. Essa falta de irrigação pode afetar pequenas ou grandes partes do músculo do coração – fator do qual dependerá a gravidade do infarto.

Como reconhecer:
- Dor no peito; 
- Formigamento e dor nos braços e nos ombros, especialmente do lado esquerdo;
- Desconforto na região do estômago (pode ser confundido com azia);
- Palpitação;
- Suor excessivo e palidez;
- Náusea;
- Falta de ar.

Como agir:
- Chame imediatamente o serviço médico de emergência;
- Mantenha a vítima deitada e afrouxe as roupas dela;
- Transmita calma;
- Se a vítima entrar em parada cardíaca, inicie os procedimentos de reanimação.

Como prevenir:
- Manter uma alimentação saudável;
- Não fumar;
- Não beber em excesso;
- Praticar exercícios físicos;
- Verificar o colesterol regularmente;
- Ficar atento a fatores de risco como obesidade, diabetes e hipertensão;
- Se informar sobre o histórico familiar de doenças do coração;
- Adotar um estilo de vida que ajude a diminuir o stress do dia a dia.


Insolação
É causada pela permanência sob sol forte por longos períodos de tempo. Pode ocasionar a perda da consciência, lesões generalizadas e até a morte.

A pessoa com insolação começa sentindo dor de cabeça, tontura e náusea. Em seguida, o pulso acelera e a visão fica embaralhada. Depois a respiração vai ficando mais difícil e a pessoa geralmente desmaia.

Como agir:
- Leve a vítima para um local fresco, na sombra. Borrife água fria pelo corpo e aplique compressas na testa, pescoço, axilas e virilhas;
- Remova o máximo de peças de roupa da vítima;
- Mantenha a cabeça elevada e ofereça água fria ou qualquer bebida não alcoólica;
- Se houver parada respiratória, faça respiração boca a boca e massagem cardíaca, se necessário.
- Chame socorro imediatamente.

Como prevenir:
- Evite exposição ao sol entre 10 e 16h;
- Use filtro com fator de proteção solar (FPS) no mínimo 15 e reaplique a cada duas horas;
- Hidrate-se com água e sucos, nunca com bebidas alcoólicas;
- Proteja-se do sol com bonés e chapéus;
- Use barracas de algodão ou lona (elas oferecem quase o dobro de proteção em relação às de náilon).


Intoxicação (por medicamentos, produtos químicos e drogas)
A intoxicação causa alterações no funcionamento do organismo e pode levar à morte. A primeira medida a ser tomada é verificar se realmente houve envenenamento.

Como reconhecer:
- Hálito com cheiro estranho;
- Mudança na cor dos lábios;
- Dor;
- Sensação de queimação na boca, garganta ou estômago;
- Sono;
- Confusão mental;
- Vômitos;
- Diarréia;
- Paralisia;
- Convulsões.

Como agir:
- Procure frascos ou remédios por perto da vítima para informar o socorro. Procure ver nos rótulos ou bulas se existe alguma indicação de antídoto;
- Observe atentamente o acidentado, pois os efeitos podem não ser imediatos;
- Não faça respiração boca a boca caso o acidentado tenha ingerido o produto;
- Se o contato com produtos químicos for pelos olhos, lave-os com bastante água durante pelo menos 15 minutos e procure com urgência atendimento especializado;
- Se houve ingestão de substância tóxica ou venenosa, provoque o vômito na vítima, verifique o pulso e a respiração dela e chame imediatamente o atendimento.

ATENÇÃO: Não provoque o vômito quando o envenenamento for por ácido, veneno que cause queimadura, soda cáustica, alvejantes, tira-ferrugem, água com cal, amônia, desodorante e derivados de petróleo (querosene, gasolina, fluido de isqueiro, benzina, lustra-móveis).

Como prevenir:
- Mantenha medicamentos, produtos de limpeza e cosméticos fora do alcance das crianças, em armários trancados;
- Não se automedique;
- Siga as orientações do médico;
- Leia a bula atentamente e fique atento para as dosagens dos remédios;
- Não guarde medicamentos vencidos;
- Não armazene produtos de limpeza fora do recipiente original.


Intoxicação alimentar
Causada pela contaminação de alimentos ou bebidas principalmente por bactérias. Uma das bactérias mais conhecidas é a salmonela, presente na carne de gado e frango, ovos e leite. A contaminação pode acontecer na hora de preparar o alimento, na conservação inadequada e na má limpeza dos utensílios.

Alguns dos sintomas da infecção intestinal são náuseas, diarreia, vômitos, dor de barriga e dor de cabeça.

Como agir:
- Aos primeiros sinais de intoxicação, oriente a pessoa a beber bastante água;
- Se a diarreia for intensa, procure o atendimento médico, pois há risco de desidratação;
- Não deixe a infecção intestinal evoluir, especialmente em crianças e idosos. Se não for adequadamente tratada, pode levar à morte.

Como prevenir:
- Tenha cuidado ao manipular alimentos, lavando sempre as mãos e limpando bem frutas e verduras;
- Evite comer carnes cruas e alimentos com procedência duvidosa;
- Prefira sempre água filtrada ou mineral;
- Não compre produtos com enlatamento caseiro, pois podem conter a toxina do botulismo. Essa infecção causa paralisia muscular, podendo levar à insuficiência respiratória.


Mordida de animal
Geralmente, está relacionada a de cães, mas são as mordidas de gato que infectam em mais de 50% das vezes. Entre as doenças mais comuns transmitidas estão o tétano e a raiva.

Apesar dos registros de mordidas de ratos e macacos também figurarem entre as mordidas perigosas, em geral são as dentadas humanas as que as que causam lesões mais graves, com maior risco de infecção e de transmissão de doenças como as hepatite B e C, o herpes, o HIV (causador da AIDS), a sífilis e o tétano.

Mordidas de animais pedem atendimento imediato. Após 8 horas da ocorrência, o risco de complicações infecciosas aumenta.

Como agir:
- Limpe o local da mordida com água e sabão ou soro fisiológico, deixando a água escorrer pelo ferimento durante alguns minutos;
- Estanque as hemorragias com um pano esterilizado ou bem limpo;
- Imobilize o membro afetado e eleve-o em relação ao resto do corpo;
- Encaminhe a vítima para um serviço de saúde.

Como prevenir:
- Não brinque com animais estranhos;
- Mantenha as vacinas dos seus animais de estimação em dia;
- Não deixe crianças sozinhas com animais domésticos;
- Sempre leve seus animais de estimação para passear com coleira.


Pancada na cabeça
O traumatismo crânio-encefálico (TCE) é uma situação muito comum nas emergências. Os casos mais graves de pancada na cabeça normalmente decorrem de acidentes de trânsito e de agressões, sendo a complicação mais temida é a hemorragia intracraniana – sangramento dentro do cérebro ou no espaço entre a porção superior da caixa craniana e o cérebro. Em caso de pancadas fortes na cabeça, o SAMU deve ser acionado imediatamente.

Como reconhecer:
Se você ou alguém que conhece sentir alguns desses sintomas nas primeiras 48h após sofrer uma pancada na cabeça, procure imediatamente o serviço médico:

- Dor de cabeça (intensa), progressiva ou acompanhada de náusea e vômitos;
-Sonolência anormal ou excessiva;
- Irritabilidade ou instabilidade emocional;
- Desmaio, fraqueza ou diminuição de força nas pernas ou em metade do corpo;
- Formigamento;
- Dificuldade para falar ou entender o que é dito;
- Alteração da memória;
- Comportamento alterado;
- Confusão mental;
- Náuseas e vômitos;
- Convulsão;
- Diminuição da audição, visão ou intolerância à luz;
- Movimentos estranhos nos olhos;
- Respiração alterada;
- Febre
- Sangramento pelo nariz ou ouvido;
- Tamanho ou forma das pupilas diferentes.

Como agir:
Chame socorro imediatamente. Em casos de acidentes ou quedas, há possibilidade de lesão da coluna cervical e de outros órgãos internos. O melhor a fazer é não movimentar a vítima (para evitar o aumento de uma possível lesão, causando paraplegia ou tetraplegia) e telefonar para a emergência, procurando fornecer os dados solicitados pelo médico.


Parada cardíaca
Interrupção da função de bombeamento do coração, podendo ser constatada pela falta de batimentos cardíacos, de pulso e pela dilatação das pupilas. Pode ocorrer sozinha ou com parada respiratória.

Essa ocorrência pode estar associada a arritmia cardíaca, hemorragia, estado de choque, uso de drogas, choques elétricos e infarto agudo do miocárdio. Portanto, é necessário redobrar a atenção se a pessoa tem um ou mais fatores de risco para doença cardíaca:

Homens com idade acima de 45 anos e mulheres com mais de 55;
Familiar que já teve ou morreu de infarto;
Obesidade, hipertensão, diabetes, sedentarismo e tabagismo.

Como agir:
- Chame imediatamente o serviço médico de emergência;
- Deite a vítima de costas e verifique o pulso dela;
- Inicie os procedimentos de reanimação: coloque as mãos entrelaçadas no centro do tórax e comprima-o entre 4 e 5 cm, repetindo o procedimento 100 vezes por minuto até o socorro chegar. A cada 30 vezes, verifique se há pulso e continue. Sem fazer nenhuma manobra de reanimação, a cada minuto se perde 10% da chance de reanimar a vítima. Se a reanimação não for feita em 10 minutos, a pessoa tem chances muito reduzidas de se salvar. É importante identificar a parada e começar imediatamente a manobra.


Paralisia súbita
Pode ser o indicativo de um problema ou a consequência de uma lesão. Pode indicar a lesão de um nervo, da medula ou mesmo do cérebro. Nos casos mais simples pode ser o resultado da contratura de um músculo que, ao comprimir um nervo, causa a paralisia ou a troca de ambiente com temperaturas extremas, que pode afetar o funcionamento de um nervo e causar, por exemplo, uma paralisia facial temporária.

Nos casos mais graves, pode indicar um problema cerebral. A paralisia também pode ser resultado da ação de um vírus ou efeito de algum problema psicológico. Por isso, é necessário estar atento aos principais sinais que antecedem essa ocorrência.

Como reconhecer:
- Formigamento;
- Dormência;
- Dificuldade para mexer uma parte do corpo;
- Dificuldade para falar;
- Déficit visual.

Como agir:
Nos casos dos sintomas acima, procure imediatamente um serviço de emergência médica;
Tenha em mente que a rapidez do tratamento está diretamente relacionada a um número menor de sequelas, inclusive a paralisia, que pode ser reversível.


Parto iminente
Alguns sintomas indicam que o trabalho de parto já começou. Se a grávida apresentar contrações regulares a cada dois minutos, se a bolsa romper, se já for possível visualizar a cabeça do bebê e não houver tempo de chegar ao hospital, é necessário tomar algumas medidas para prestar os primeiros socorros.

Como agir:
- Chame o socorro imediatamente;
- Afaste os curiosos e transmita calma à grávida;
- Lave as mãos antes de iniciar qualquer procedimento;
- Deite a gestante em um lugar limpo, eleve os joelhos dela e afaste as duas pernas;
- Peça para que tranque a respiração e faça força a cada contração;
- Não puxe a cabeça do bebê. Sustente-a à medida que ela for saindo. Deixe que o bebê e o cordão umbilical saiam naturalmente;
- Assim que o bebê sair, limpe o muco do nariz e da boca dele;
- Verifique se ele está respirando. Caso contrário, segure-o com cuidado pelas pernas e coloque-o de cabeça para baixo, dando palmadas leves nas costas dele;
- Se não der resultado, sopre delicadamente na boca da criança, observado o movimento do tórax;
- Não é necessário cortar o cordão umbilical se o transporte para o hospital demorar menos de 30 minutos;
- Se o socorro médico levar mais do que 30 minutos, deite a criança de costas e com um fio que tenha sido fervido e faça dois nós no cordão umbilical: o primeiro a quatro dedos da criança e o segundo, a dois dedos do primeiro. Corte bem meio das duas amarras usando um objeto limpo;
- Deixe o bebê em contato com a mãe até a emergência chegar e proteja-os;
- Não se esqueça de transportar a placenta ao hospital para avaliar se ela saiu completamente.


Perda de dentes
Comum em acidentes domésticos, no trânsito, na prática de esportes de impacto e como resultado de agressões. O tratamento vai depender do tipo de fratura dentária. Em qualquer dos casos é importante procurar socorro especializado o mais rápido possível.

Como agir:
- Após a perda do dente, coloque-o imediatamente em um recipiente limpo contendo um pouco de leite ou soro fisiológico;
- Procure um pronto-socorro dentário imediatamente;
- O período máximo que um dente pode ficar fora da boca até ser reimplantado é de no máximo 1 hora;
- Nos hospitais há também cirurgiões especializados na área da face e da boca para atendimento desse tipo de emergência;
- Faça o acompanhamento clínico e radiográfico com o seu dentista.


Perfuração por objeto metálico
Nas lesões por objetos perfurantes (facas, lâminas, pedaços de metal em geral) geralmente há exposição dos tecidos do corpo ao ambiente. Esta situação é associada a acidentes, mas muitas vezes é resultado da violência.

Dependendo da gravidade da situação, a vítima necessita ser encaminhada diretamente para o hospital, com o objeto ainda encravado no corpo.

Como agir:
- Não tente puxar o objeto, ele pode estar tamponando um vaso;
- Se houver hemorragia, contenha o sangue fazendo uma compressa com um pano limpo;
- Se o objeto for grande, facilite o transporte para o hospital, estabilizando-o com um curativo ou cortando as extremidades;
- Mesmo que o objeto seja pequeno é necessário procurar atendimento especializado;
-É recomendado tomar a vacina antitetânica.


Picada de cobra
Procure o socorro o mais rápido possível para que o soro antiofídico possa ser aplicado nas três primeiras horas depois do ataque.

Como reconhecer:
A reação à picada depende do tipo de cobra, da parte do corpo que foi mordida, da quantidade de veneno introduzido no organismo, do modo como as presas se prenderam no corpo e do peso da vítima. Imediatamente após a mordida, a pessoa pode começar a sentir:
- Dor;
- Náuseas;
- Palidez;
- Pulso fraco;
- Rigidez na nuca;
- Visão confusa;
- Perda da consciência.

Como agir:
- Procure imediatamente o serviço de emergência;
- Mantenha a vítima calma e deitada;
- Lave o local com água abundante;
- Não coloque nenhum tipo de substância no local, não faça cortes ou amarre qualquer tipo de material ao local da picada;
- Mantenha elevado o pé, perna ou braço atingido;
- Se há condições de segurança, leve a cobra (viva ou morta) ao serviço de atendimento de emergência, pois será mais fácil descobrir o soro adequado para tratar a vítima.

Como prevenir:
- Utilize botas ao percorrer locais com mato e arbustos;
- Não coloque as mãos em tocas e lugares escuros onde a cobra possa se esconder; 
- Caso seja preciso manipular esses animais, use luvas e material de proteção;
- Mantenha os terrenos próximos de sua moradia limpos, evitando ratos, animais que costumam atrair cobras;
- Evite passeios noturnos em áreas onde há cobras;
- Não mate emas, seriemas, gaviões e gambás. Eles são predadores naturais das cobras.


Picada de escorpião
Escorpiões são animais pouco agressivos e com hábitos predominantemente noturnos. O veneno do escorpião ataca o sistema nervoso e pode até matar – especialmente se a vítima for uma criança. Por conta disso, é importante buscar socorro o mais rápido possível para que o tratamento possa ser feito o quanto antes.

Como reconhecer:
- A reação à picada depende do tipo de escorpião. Imediatamente após a mordida, a pessoa pode começar a sentir:
- Dores fortes;
- Náuseas;
- Vômitos;
- Aumento da pressão arterial;
- Suor intenso;
- Baixa rápida da temperatura do corpo.

Como agir:
- Mantenha a vítima calma;
- Não esprema nem sugue o local da picada;
- Lave o local com água e sabão;
- Procure o serviço de emergência;
- Se há condições de segurança, leve o escorpião (vivo ou morto) ao serviço de atendimento de emergência (assim será mais fácil descobrir o soro adequado para tratar a vítima).

Como prevenir:
- Use sempre calçados e luvas apropriadas ao manusear materiais de construção ou lenha;
- Em locais onde há presença destes animais, vede a soleira das portas com frisos de borracha ou com saquinhos de areia;
- Não coloque as mãos em tocas e lugares escuros onde o escorpião possa se esconder; 
- Feche bem os sacos de lixo e mantenha os terrenos próximos de sua moradia limpos, evitando baratas e moscas, animais que costumam atrair esses predadores;
- Examine roupas, calçados e roupas de cama e banho antes de usá-las.


Picada de inseto 
A mordida de um inseto, na maioria das vezes, não é grave e produz apenas dor, coceira e inchaço local. Isso é bastante comum de acontecer após picadas de abelhas, vespas, aranhas, mosquitos. O cuidado passa a ser maior se a pessoa é alérgica ao veneno de algum destes insetos.

Como agir:
- Se possível, retire o ferrão e lave a área com água e sabão;
- Aplique gelo no local para diminuir o inchaço;
- Se a vítima for alérgica ou receber múltiplas picadas, conduza-a imediatamente a um hospital;
- Se possível, leve junto uma amostra do inseto (vivo ou morto).

Como prevenir:
- Doenças como o mal de Chagas e a dengue são causadas por insetos. Por isso é importante manter os ambientes limpos e livres de contaminação;
- Se trabalha com abelhas ou for a um apiário, use equipamentos apropriados para se proteger destes insetos;
- Se estiver perto de uma colmeia, não faça movimentos bruscos ou grite, pois isso atrai as abelhas.


Queda
Esse tipo de emergência está muito ligado a ferimentos e fraturas, principalmente de pernas e braços. Dependendo da altura e da intensidade da queda, pode haver perda de consciência e traumatismos graves, como o craniano.

Como agir:
- Se a queda for leve, lave bem a área afetada com água e sabão para evitar que a ferida infeccione;
- Se após a queda a vítima sentir dor em alguma parte do corpo, faça a imobilização da área como está descrito no item "fraturas" e procure o atendimento médico;
- Se a vítima estiver inconsciente, verifique a respiração e o pulso dela e chame socorro imediatamente;
- Se o choque com o chão ou outra superfície for intenso, há grandes chances de que a vítima tenha sofrido alguma lesão interna. Neste caso, movimente a vítima o menos possível e chame imediatamente o socorro.


Queimadura
- É uma lesão causada por fatores térmicos, químicos, eletricidade e radiação, entre outros. Dependendo da localização, da extensão e do grau de profundidade, a lesão nos tecidos de revestimento do organismo (como a pele) pode desfigurar, causar incapacidades temporárias ou permanentes e levar à morte.

As queimaduras são classificadas em:

1º grau – atinge somente a epiderme (camada mais superficial da pele). Caracteriza-se por dor e vermelhidão no local queimado.

2º grau – atinge a epiderme e a derme (camada localizada abaixo da epiderme). Caracteriza-se por dor, vermelhidão e formação de bolhas.

3º grau – atinge todas as camadas da pele, inclusive o tecido gorduroso e os nervos, podendo alcançar inclusive os ossos. Caracteriza-se por pouca dor, já que destrói as terminações nervosas de sensibilidade. A pele fica seca, dura, enrugada, escurecida ou esbranquiçada.

Como agir:
- Interrompa o processo que está originando a queimadura. Se for fogo na roupa, não deixe a pessoa correr. Deite-a no chão e comece a abafar as chamas pela cabeça, usando um cobertor, um tapete, um casaco grosso ou faça-a rolar no chão;
- Jamais deixe de lado a sua própria segurança ao ajudar em uma situação como essa;
- Depois de apagado o fogo, não retire roupas coladas na pele, apenas recorte as partes soltas, sobre as áreas queimadas;
- Cubra a área queimada com gaze esterilizada ou panos limpos, para evitar infecção;
- Não aplique qualquer creme ou pomada na queimadura, a não ser que haja prescrição médica;
- Jamais rompa as bolhas formadas na queimadura;
- Em queimaduras de 1º e 2º grau resfrie o ferimento com água corrente. Não aplique gelo no local;
- Em queimaduras químicas, limpe e remova a substância da pele e das roupas. Em seguida, lave o ferimento com bastante água corrente;
- Em caso de queimadura de origem elétrica, não socorra a vítima antes de desligar a corrente;
- Além da queimadura, a corrente elétrica pode gerar parada cardiorrespiratória, devendo neste caso ser aplicada a reanimação. Após prestar o primeiro atendimento, chame socorro ou conduza a pessoa ao hospital.

Como prevenir:
- Sempre que se expuser ao sol, use filtro solar;
- Afaste fósforos, produtos químicos e inflamáveis de crianças;
- Tenha cuidado ao usar fogão, velas, cigarros e qualquer fonte de ignição;
- Evite soltar fogos de artifício;
- Proteja a rede elétrica de sua casa evitando sobrecarga ou fios desencapados. Procure sempre um profissional habilitado para realizar o serviço de instalação ou manutenção de sua rede elétrica.

Reação alérgica aguda
Surge quando há intolerância do organismo a alguma substância. O contato com elas causa, em minutos, reações violentas do corpo, como o edema de glote e o choque anafilático.

O edema de glote é conhecido popularmente como "garganta fechada". A glote é uma estrutura localizada na laringe. Ela se abre para permitir a passagem do ar para os pulmões e se fecha para impedir que eles recebam líquidos e alimentos destinados ao estômago. Ao inchar, a glote obstrui a passagem de ar e causa insuficiência respiratória.

O choque anafilático se caracteriza pela coceira generalizada, pela presença de placas avermelhadas distribuídas pelo corpo e pelo inchaço na boca, na língua ou na garganta. Essa ocorrência pode provocar vômitos e diarreia, convulsões e também pode levar à morte.

Como agir:
- Chame o atendimento de emergência e monitore os sinais vitais da vítima;
- Se a vítima entrar em parada cardiorrespiratória, inicie a reanimação imediatamente.

Como prevenir:
- Investigue quais substâncias desencadeiam as crises alérgicas e evite-as;
- Se já teve uma reação alérgica grave, converse com seu médico sobre a possibilidade de carregar um kit contendo medicamentos para uso em uma emergência;
- Carregue com você um cartão com informações sobre suas alergias e não esqueça de informá-las antes de receber atendimento médico;
- Leia sempre as bulas dos medicamentos que irá usar;
- Se for alérgico a algum alimento pergunte sobre a presença dele ou de traços dele na comida.


Sufocamento
Ocorre quando há bloqueio na passagem de ar para os pulmões, podendo ser por engasgamento. Esta é uma emergência que precisa de atendimento imediato. Após 3 a 4 minutos sem respirar, o cérebro para de funcionar, uma condição que pode ser fatal.

Como agir para ajudar um adulto:
- Não peça para que a vítima levante os braços ou coloque a cabeça para trás, isso só aumentará a obstrução;
- Estimule a vítima a tossir;
- Abrace-a por trás, passando os braços por baixo das axilas. Posicione suas mãos na região abdominal dela, na linha do umbigo. Uma mão deve estar com o punho fechado e a outra, espalmada, cobrindo a primeira. Faça movimentos fortes e repetitivos, até a pessoa expelir o que estiver obstruindo a passagem do ar.

Como agir para ajudar uma criança:
Coloque a criança deitada de bruços, apoiada sobre a sua coxa, com a cabeça voltada para baixo;
Comprima, com uma das mãos, as costas da criança, exercendo pressão contínua até que expila o que estiver provocando a obstrução.


Surto psicótico
Aparecimento repentino de sintomas como alterações de comportamento, alucinações ou delírios. A pessoa em surto psicótico pode tornar-se agressiva, agitada, isolada ou com comportamento estranho e pode colocar a vida dela e de outros em risco.

O surto pode ser desencadeado por causas psiquiátricas (esquizofrenia, transtorno bipolar, uso e abstinência de substâncias etc.) ou condições médicas (infecções, condições pós-operatórias, intoxicação por medicamentos etc.). Um surto psicótico é uma emergência médica e exige tratamento especializado.

Como agir:
- Não confronte a pessoa em surto, mantenha uma postura neutra e compreensiva até que a ajuda especializada chegue
- Proteja o ambiente, afastando objetos que podem ser usados para agressão (como facas, armas e utensílios perigosos);
- Vigie a pessoa se houver risco de fuga ou autoagressão;
- Se o surto é resultado do não uso de uma medicação habitual, administre-a imediatamente;
- Se a pessoa em surto estiver sob tratamento, entre em contato com o profissional que a atende;
- Se houver risco de agressividade, suicídio ou homicídio iminente deve-se entrar em contato com a polícia para garantir a integridade da pessoa afetada e daqueles que estão com ela no momento do surto;
- Caso os acompanhantes consigam manejar o indivíduo, ele deve ser encaminhado para um serviço médico de emergência, preferencialmente com atendimento psiquiátrico;
- Em casos graves, a internação psiquiátrica é necessária para investigação e intervenções apropriadas. - Casos mais leves podem ser atendidos em ambulatórios.

T
Transporte de vítima 
Transportar a vítima é um procedimento muito arriscado. Muitas vezes, na tentativa de ajudar, a pessoa acaba agravando um quadro estável. Fazendo um movimento inadequado, uma lesão que já existe pode comprimir a medula e provocar paralisia. Se a vítima estiver em um lugar de difícil acesso a hospitais e necessitar ser transportada, há alguns cuidados a tomar.

Como agir em caso de vítima grave, com possível lesão na medula:
- Movimente a vítima o menos possível;
- Peça ajuda de outras pessoas para carregá-la;
- Pegue um pedaço de madeira grande, uma porta ou alguma coisa que possa servir de maca. É necessário deixar a coluna reta;
- Não use lençóis para transportar a vítima. Use-os fazendo rolos que possam garantir mais firmeza ao transporte;
- Se a vítima estiver de bruços, consciente e respirando, transporte-a nessa posição, segurando a cabeça dela o tempo todo, para evitar que se mexa.

Como agir em caso de vítima de mal-estar, desmaio ou intoxicação:
- Se a vítima puder caminhar, passe o braço dela pelo seu pescoço e segure-a com firmeza pelas costas;
- Se não puder caminhar, leve-a nas costas ou pegue-a no colo colocando um braço por baixo dos joelhos e o outro em torno das costas dela;
- Também existe a possibilidade de carregá-la como "transporte de bombeiro" (a vítima é transportada com tórax totalmente apoiado nas costas de quem a carrega, ficando uma perna da vítima para cada lado do corpo do transportador). Esse transporte exige força e só pode ser feito por alguém capaz de aguentar o peso.

Como agir em caso de acidente de carro:
- Não mexa na vítima e só tente retirá-la do veículo se houver risco de explosão;
- Se você corre riscos ao prestar socorro à vítima não a socorra;
- Em caso de risco de explosão, tome muito cuidado ao retirar a vítima do local: coloque-se por trás dela, passando as mãos sob suas axilas. Com uma das mãos fixe o braço da vítima junto ao tórax e com o outro imobilize o pescoço dela. Tire-a do carro arrastando o corpo dela de encontro ao seu, fixando as costas dela nas suas coxas.


Traumatismo ocular
Ocorre quando um corpo estranho entra no olho ou como resultado de uma batida ou da exposição excessiva ao calor e à luz, entre outros. A região dos olhos é muito delicada e por isso é necessário cuidado extremo na hora de prestar os primeiros socorros.

Como agir:
- Se entrar uma sujeira no olho, lave-o com água corrente em abundância e aplique um colírio que seja apenas lubrificante;
- Caso sinta alguma coisa incomodando não esfregue o olho, pois isso pode piorar o local;
- Se o olho foi penetrado por algum objeto ou por uma farpa não tente tirá-la. Busque atendimento especializado imediatamente;

- No caso de golpes ou batidas também é necessário buscar atendimento especializado. 

0 comentários:

Postar um comentário